Ads Top

Bebidas alcoólicas e a violência nos estádios de futebol: a ilusória analogia

Será que a venda de bebidas alcoólicas realmente tem relação direta com a violência nos estádios?

Bebidas alcoólicas e a violência nos estádios de futebol: a ilusória analogia
Eu aposto uma caixinha de cerveja o que meu time consegue virar no segundo tempo. Valendo?
Quantas vezes não fomos motivados a fazer uma aposta ali, outra aqui sobre título, sobre aquele camisa 10 que vai fazer um gol de bicicleta com certeza, sobre o placar do jogo, visando o prêmio tão cobiçado: a nossa estimada caixinha de cerveja? Isso se na empolgação não virar churrasco! Não tem como negar, cerveja e futebol parecem ter nascido para caminharem de mãos dadas. O nervosismo da bola que não entra, o zagueiro que perdeu aquela jogada e quase deixou o adversário abrir vantagem, o juiz que não marcou aquele pênalti - e até aí o torcedor já foi pro céu e voltou umas cinco vezes - são fatores claramente anulados quando a gente escuta aquele barulho da gelada abrindo!

No entanto, em algumas regiões do Brasil, o torcedor que gosta de prestigiar o bom futebol ao vivo sofre com isso. Desde 2003, conforme a Lei de nº10671 do Estatuto do Torcedor, a venda de bebidas alcoólicas nos estádios de futebol é proibida, devido à assimilação do consumo destas à violência. Ainda que não existam números significativos de registros criminais associando a bebida às brigas em estádio, muitos vereadores posicionam-se contra a alteração da lei usando essa alegação.

No decorrer destes anos, alguns estados como Minas Gerais e Rio de Janeiro já conseguiram sua liberação e a cerveja voltou a fazer parte da rotina dos torcedores e dos estádios, ainda que parcialmente - no estado Mineiro, por exemplo, a venda é permitida somente nos primeiros 45 minutos, sendo vetada após o intervalo. Em agosto desse ano, o Paraná conquistou a volta da venda de cervejas nos estádios, exclusivamente na área dos bares e até os 15 minutos finais da partida. Após isso, a comercialização é encerrada.

Quem também tem essa batalha em andamento são as Federações dos estados de São Paulo, Santa Catarina e Ceará. Na região paulista, o processo tem previsão de liberação até o final de 2017, mas a oposição segue intencionada em vetar, reforçando a questão da violência potencializada.

Bebidas alcoólicas e a violência nos estádios de futebol: a ilusória analogia

Pelo mundo afora, alguns países permitem a comercialização de bebidas nos estádios, como nos Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha e Itália. Já na Espanha e França, a venda é proibida.

A verdade é que, como fã de carteirinha de futebol e apreciadora de uma boa cerveja gelada, eu não acredito nessa associação direta. Não descarto 100% a hipótese de que, sim, algumas pessoas perdem as famigeradas estribeiras, mas temos que convir: o que motiva esses indivíduos marginais está longe de começar pelo álcool. São pessoas que, em sã consciência ou não, usariam artifícios violentos para ocasionar tumulto, dispersando do foco futebolístico - ou usando-o como desculpa.

O que temos que reforçar é - com ou sem cerveja - a segurança dentro, fora e nos arredores dos estádios. A cerveja é proibida internamente, mas quantas vezes não chegamos duas horas mais cedo só para fazer aquela resenha tomando uma cervejinha de ambulante junto com um churrasquinho de gato do “tiozinho”? Chega a ser hipocrisia acreditar que a venda interna - o que inclusive gera lucro ao time quando este abre parceria com alguma marca distribuidora - seja a ocasionadora de qualquer tumulto aleatório. O problema, repito, vai além e precisa ser enxergado em sua verdadeira face.

Segurança reforçada, punições e medidas tomadas, bem como a ríspido modo a prisão, são capazes de solucionar o problema. O torcedor merece o respeito e direito de não mais ser tratado como um ser marginalizado de maneira que mediante qualquer placar à contra-gosto se torne um ser ancestral e pré-histórico.

A Equipe Cartoleiros lançou uma pesquisa em nossas páginas do Facebook e Twitter com o seguinte questionamento: Você é contra ou a favor da venda de bebidas alcoólicas nos estádios de futebol? E com muita alegria vi que não estou sozinha:

No Facebook, tivemos 317 votos, resultando em 63% x 37%. Aproximadamente 200 leitores a favor da comercialização de bebidas nos estádios e 117 contra.

Você é contra ou a favor da venda de bebidas alcoólicas nos estádios de futebol? 
Publicado por Cartoleiros em Terça-feira, 7 de novembro de 2017

Já no Twitter, a votação repercutiu com sucesso: 961 votos! E 70% dos nossos leitores - estimados 672 - são a favor da nossa cervejinha no estádio.


E você, o que pensa a respeito? A cerveja realmente pode influenciar na violência nos estádios ou isso é mera fantasia? E no fim de tudo, você é a favor ou contra a comercialização de bebidas alcoólicas dentro dos estádios de futebol? Deixa seu comentário aqui embaixo e conta pra gente! :)



Por: Heloisa Anzilago | @heloislane
Bebidas alcoólicas e a violência nos estádios de futebol: a ilusória analogia Bebidas alcoólicas e a violência nos estádios de futebol: a ilusória analogia Reviewed by Heloisa Anzilago on 11/09/2017 02:34:00 PM Rating: 5