Ads Top

Está decretado: o Grêmio é Tricampeão da Libertadores!

Grêmio conquista América e é campeão pela terceira vez sobre o Lanús da Argentina.



"Até a pé nós iremos para o que der e vier, mas o certo é que nós estaremos, com o Grêmio onde o Grêmio estiver; nós somos bons torcedores, sem hesitarmos sequer, aplaudiremos o Grêmio aonde o Grêmio estiver"

Para quem desconhece o Hino Oficla do Grêmio, sugiro que o escute antes de ler o texto a seguir. Digo isso porque talvez nunca um compositor acertou tanto ao descrever com palavras o que é seu time do coração. Lupicínio Rodrigues (o autor), quando compôs em 1953, parecia saber o que aconteceria 64 anos depois: 5 mil fanáticos cruzaram a fronteira para ver o tricampeonato gremista. De Porto Alegre até Buenos Aires são aproximadamente 15 cansativas  horas de viagem, mas que para os tricolores não significa nada. A única coisa que interessa para eles é o Grêmio.

O tricolor gaúcho, que sempre se orgulhou de ser conhecido como “o mais copeiro do Brasil”, mais uma vez fez jus ao seu apelido. Se classificou em um mata-mata para a Libertadores e levantou a taça mais cobiçada de toda a América pela terceira vez em sua rica história. Com isso, se igualou a Santos e São Paulo como os clubes brasileiros com mais títulos da competição. Com muito menos verba que os afortunados paulistas e cariocas, o Grêmio superou o fato de ter menos dinheiro tendo muito mais vontade e garra que seus adversários.

Esse mesmo elenco campeão, também passou por muitas dificuldades durante a temporada: o vice-campeonato estadual, perdendo para o modesto Novo Hamburgo já era um forte motivo para as cornetas começarem a aparecer. Como não questionar um elenco formado por jovens promessas e jogadores renegados em outras equipes como Edílson, Bruno Cortez, entre outros? Entretanto, foram esses mesmos atletas, tão questionados e criticados, que deram a volta por cima junto com o restante da equipe e se inspiraram em seu experiente e vencedor treinador para recuperar seu bom futebol. Quem acreditaria que Edílson faria um gol decisivo no Equador ou que Cícero garantiria a vitória no primeiro jogo da final? Poucas pessoas. No entanto, uma delas foi Renato Gaúcho e por isso ele é um dos maiores responsáveis pela conquista.

Antes de sua chegada, o Grêmio amargava um período de 15 anos sem conquistas nacionais ou internacionais. Logo em seu primeiro ano, o jejum caiu com o pentacampeonato da Copa do Brasil. Já em 2017, enquanto alguns adversários montaram verdadeiros esquadrões à base de muito investimento, o time formado por Renato continuava com o mesmo estilo de antigamente: sem muitas estrelas porém com um coletivo muito forte. Assim, a fase de grupos foi relativamente tranquila e sem grandes sustos.

O Godoy Cruz, que poderia ser uma pedra no sapato, também acabou ficando pelo caminho. Até que finalmente, chegou o que (pelo menos para mim) foram os grandes duelos da caminhada até o título: o Botafogo de Jair Ventura também era muito organizado e vinha com muita moral após eliminar o tradicional Nacional do Uruguai. Em dois jogos muito tensos, o único gol saiu na bola parada de Edílson para Barrios, que de cabeça definiu a classificação. O Barcelona - chamado de matador de brasileiros por alguns jornalistas paulistas - no primeiro confronto já estava praticamente eliminado com o placar de 3 a 0. Apesar dos três tentos, o lance que ficaria marcada na história daquele jogo foi a defesa espetacular de Marcelo Grohe. No Sul, a derrota por apenas 1 a 0 para os equatorianos era motivo de festa: depois de 10 anos, o clube voltava a uma decisão.

Naquela altura, já se sabia que o adversário seria argentino, o que representava um problema: nas duas finais que disputou contra times do país, o Rei de Copas saiu derrotado. Em 1984, perdeu para o Independiente e em 2007, para o Boca Juniors. No entanto, o finalista dessa vez era muito mais humilde: o pequeno Lanús - que se orgulha por ser o maior time de bairro do Mundo - nunca esteve tão próximo da tão cobiçada taça. Antes disso, eliminou os tradicionais San Lorenzo e River Plate, com direito a uma virada impressionante nos “Millonarios”. No Brasil, uma partida tensa, marcada por um pênalti não assinalado a favor dos mandantes e o gol de Cícero no final do segundo tempo. Na Argentina, domínio total dos brasileiros na primeira etapa, que mesmos pressionados durante o restante da final, garantiram o triunfo por 2 a 1 e o troféu de campeão.
Está decretado: o Grêmio é Tricampeão da Libertadores! Está decretado: o Grêmio é Tricampeão da Libertadores! Reviewed by Matheus Moura on 11/30/2017 10:24:00 AM Rating: 5