Na mosca #13: a rotina do brasileirão

Fim da Copa do Mundo, mais 4 anos de espera... Enquanto isso, voltamos à rotina do campeonato que tanto amamos.


Foi bom, foi realmente bom. Apreciar o que tem de melhor no futebol mundial durante um mês foi, mais uma vez, único. Copa do Mundo é diferente de tudo o que já vimos: favoritos ao título e grandes campeões caindo diante de adversários menos expressivos. Elencos guerreiros provando que tradição nem sempre tem como sua aliada a vitória. Camisas pesadas, sobretudo, pesando em campo. 

Assim, a Copa, mas em especial a Rússia, mostrou em si durante todo esse mês, que, muito além de trazer sensações e emoções históricas aos seus torcedores, trouxe também um sentimento de irmandade, entre mundo e nação, Rússia e Brasil.

Como a ansiedade pelo Brasileirão e Cartola FC é grande, sabemos, se encerra um breve relato de sentimentos heterogêneos,porém bons da mesma forma. Porém, é hora do que interessa: a escalação da rodada, agora, com um gostinho ainda mais especial — o da saudade.

Começamos pela defesa. Em toda a sua grandíssima história e experiência está o goleiro Fábio (CRU) guardando nossas redes. Nas laterais, Sander (SPO), jogador que tem uma grande regularidade e vem fazendo um grande campeonato - inclusive estando há 3 partidas sem ter sua defesa vazada - e também o lateral do sonho do hexa 2018 que, por sua copa do mundo impecável, mereceu a escalação: Fagner (COR).

A zaga é tomada pela experiência — e por sinal, que experiência! Essa, representada pelo zagueiro artilheiro Dedé (CRU) e o recém chegado da Rússia, Geromel (GRE).

Na linha central, encontra-se Nenê (SAO), craque que carrega consigo o peso de ser Capitão deste time; Canteros (CHA), o argentino que não é o Messi, mas brilha nas cobranças de falta; e, por fim, um meio campo que jogou a Copa do mundo pela seleção Charrua, Arrascaeta (CRU). Apesar de ter tido poucas oportunidades e feito um campeonato apagado pelo Uruguai, brilha em terras tupinambás, em especial nas terras sagradas do Mineirão, onde joga contra o América Mineiro.

Vinícius Júnior vai fazer falta, mas terá seu futebol jovem e alegre mantido por nossos atacantes. A linha mais ofensiva do campo vem, dessa vez, acompanhada por seus prováveis companheiros de seleção no Catar em 2022. Rodrygo (SAN), a jóia da Vila na era pós Neymar; Pedro (FLU), o artilheiro matador que segue os passos de um antigo ídolo do Fluzão e da seleção, o atacante Fred; e por último Luan (GRE), o campeão olímpico de 2016 e melhor jogador da América em 2017 - dispensa elogios.

Assim, espera-se que, tanto nessa rodada - principalmente - como em todo o futuro do futebol brasileiro, esses garotos, ou quaisquer outros, continuem a fazer o futebol canarinho ser lembrado como deve ser.

Finalizando todo esse elenco, o comandante. Hoje sem Tite, mas com a bagagem de Vagner Mancini (VIT).

Na mosca #13: a rotina do brasileirão Na mosca #13: a rotina do brasileirão Reviewed by Gabriel Duarte on 7/17/2018 03:42:00 PM Rating: 5