Na Mosca #15: sofrer faz parte

Decaída na pontuação alerta, mas não preocupa. Seguimos adiante, recuperando o ritmo e buscando bons resultados como o habitual.


Passou e passou longe de ser o ideal. A última rodada nos trouxe "belos" 56.06 pontos. Nico Lopez, como capitão, contribuiu com 6.40, enquanto Arrascaeta e Pedro foram responsáveis por 14.50 e 19 pontos, respectivamente. Difícil de acreditar, mas é o futebol. É apenas o corriqueiro do esporte em que nada é habitual.

Estamos aqui apenas para apreciar e torcer, porém sofrer já deixou de ser opção faz um bom tempo. Seja no campeonato estadual, torcendo pelo seu clube de coração, simpatizando na Champions League pelos gigantes europeus ou apenas desejando ter feito boas escolhas no Cartola FC para se gabar em cima daquela sua amiga da escola ou ganhar uma aposta com o parceiro do trabalho... Em algum momento você vai sofrer pelo futebol!

Não é nenhuma dor insuperável, tampouco o fim da vida. Apesar disso, o sofrer pelo futebol é um estado em que, apesar de saber que logo passa, dói, em diversas intensidades; tudo depende da circunstância. Talvez, o que poucos saibam, ou até notem, é que o sofrer pelo futebol machuca, mas de forma boa. Nos faz mais preparados para a derrota - se você for argentino, até mais acostumado com ela - e nos fortalece para buscar a vitória; essa que, se suceder um fracasso, tem um gosto muito melhor. A França que nos diga.

Sem mais prorrogações, vamos ao time da rodada. Começamos pelo gol, que traz uma surpresa, Saulo (BOT). Entrou no último jogo devido à uma contusão de Jefferson logo aos 16 minutos, com seu time já perdendo de 2 a 0, e não fez feio. Óbvio que não é fácil substituir um dos ídolos de seu clube, com um Maracanã lotado e em um começo de jogo terrível, mas, apesar da pouca experiência, ainda assim superou certas expectativas e fez por merecer nossa escolha.

Nas laterais, uma dupla em grande fase: Renê (FLA), com toda sua força de marcação - não sofre gols há 9 jogos - e Reinaldo (SAO). No melhor estilo de ponta esquerda, o lateral vem tendo grandes atuações e é peça decisiva na defesa e no ataque tricolor.

O complemento da defesa se dá no meio da zaga, que está tomado pela força de seus integrantes. Visando aproximar-se ainda mais do líder Flamengo e em manter a solidez da defesa colorada está Víctor Cuesta (INT). É um zagueiro caro, de fato, mas não costuma desapontar. A escolha mais em conta é Igor Rabello (BOT). Apesar da pouca idade, assumiu com méritos a titularidade da zaga alvinegra há um bom tempo. Vale a aposta por conta de sua regularidade e por sua força no jogo aéreo, podendo, quiçá, anotar um gol — e assim esperamos, claro.

O meio de campo dessa rodada vem com bastante prestígio e dividido entre experiência e juventude. A experiência é trazida por Nenê (SA|O), que vive grande fase no São Paulo tendo anotado 6 gols até então neste campeonato. Vale ressaltar ainda que ele está por um preço realmente bom comparado ao seu momento e toda a sua qualidade - C$11.30.

Robinho (CRU) representa a progressão e a maturidade: é um jogador com experiência, mas ainda jovem. Teve seus momentos de altos e baixos na carreira, mas é inegavelmente eficiente, ainda mais contando sua volta após Copa do mundo onde participou de todos os gols do Cruzeiro, portanto, é mais um bom nome para se apostar. 

Finalizando o meio, a juventude de Lucas Paquetá (FLA) que, agora, carrega "sozinho" o futebol alegre e descontraído do rubro negro com a ida de Vinícius Júnior para o Real Madrid. Em dupla era bom, mas o urubu Paquetá, enquanto não for para a Europa, continuará demonstrando todo o potencial de seu futebol em seu voo pela Gávea, só que, desta vez, solo.

Para fechar o elenco, o ataque. Dizem que sempre se deixa o melhor por último, então, apreciem e confiem nas escolhas. Começamos por Ricardo Oliveira (CAM), que agora terá trabalho dobrado, tanto para suprir a falta de Róger Guedes, quanto para buscar a artilharia do campeonato. Portanto, disposição e vontade em campo não vai faltar. Em seguida, um dos artilheiros do campeonato, Willian (PAL) que, com sua regularidade, assumiu o protagonismo do Palmeiras nesse Brasileirão. Por fim, você já deve imaginar o escolhido. Sim, é ele mesmo: Pedro (FLU), o atacante do hexa 2022 — depois dessa, sem demais comentários.

No comando deste timaço no valor de C$146.92, Marcos Paquetá (BOT), o novo técnico do alvinegro carioca.

Deixem seus comentários e boa mitada!
Na Mosca #15: sofrer faz parte Na Mosca #15: sofrer faz parte Reviewed by Gabriel Duarte on 7/24/2018 08:22:00 PM Rating: 5