Na Mosca #18: certas leis não costumam falhar

Ainda na média, apostamos na famosa lei do ex para atingir o ápice da mitada na 18ª rodada do Cartola FC.





A rodada anterior não foi fácil, todos sabemos. Não tivemos grandes jogos, nem grandes pontuações, em média, que dirá algum jogador com brilhante atuação — com pequena exceção para o carismático Marinho. Ele foi essencial ao Grêmio em vitória merecida contra o Flamengo e, sobretudo, livrou o elenco do tricolor gaúcho de mais uma bronca de Renato Portaluppi após uma sequência de resultados fracos. Como já diria Neymar, "tudo passa", inclusive uma rodada frustrante no Brasileirão. Ainda bem.

Para a próxima rodada, a fim de mitar e ter aquele prestígio que a gente gosta, acreditamos numa velha conhecida, e, por sinal, intocável lei do futebol: a lei do ex. Para quem não sabe, essa lei basicamente decreta que, um jogador ao reencontrar seu ex clube em uma partida, certamente vai balançar as redes. Como muitas outras, essa lei não se explica, ela simplesmente acontece.

Para os situar de forma melhor, aqui mostramos alguns casos - emblemáticos, vale dizer - em que essa lei aconteceu de forma mágica. O primeiro, Cristiano Ronaldo, jogando pelo Real Madrid contra seu ex, Manchester United, pelas oitavas da Champions de 2013, marcando um dolorido gol a 3 minutos do fim e eliminando os "Reds", que tinham sua esperança depositada na disputa de pênaltis. Partindo para o futebol brasileiro, temos o Brasileirão de 2016, o qual foi marcado por um hat-trick (três gols de um jogador em uma única partida) inesquecível de Rafael Sóbis sobre o Interncional, jogando pelo Cruzeiro. Finalizando os casos, talvez um dos mais marcantes e famosos: o eternizado gol de barriga feito por Renato Gaúcho na final do Carioca em 1995, responsável pela tristeza de seu ex, Flamengo, e pelo título de seu então clube, Fluminense.

Agora, de forma simples e direta, vamos à escalação. Como sempre, iniciamos pelo goleiro, que dessa vez será Cássio (COR) após brilhante atuação na Libertadores na última quarta. O timão pouca bola jogou e, sem o paredão corintiano em noite inspirada, o placar teria ido muito mais além do que 1 a 0. 

Partindo para os lados, Reinaldo (SPFC), mais uma vez, e, estreando por aqui, Marcinho (BOT). Os dois laterais detêm bom retrospecto no brasileiro e valem o investimento, até por não serem jogadores considerados caros — o tricolor está por C$11.29, enquanto o alvinegro carioca custa um pouco menos, C$8.41. 

Fechando a linha de defesa, uma zaga oriunda da cidade maravilhosa. Primeiro, Igor Rabello (BOT), que nesse brasileirão possui 71% dos desarmes ganhos, 104 cortes de bola, 82% de precisão nos passes, 2 gols e apenas um único cartão amarelo. 

Junto a ele, um defensor novo e que com suas boas atuações vem ganhando confiança e, consequentemente, a titularidade: Léo Duarte (FLA). Vindo da base do próprio Flamengo, o zagueiro acumula diversos títulos por lá, tendo como um dos principais a conquista da Copa São Paulo de futebol júnior de 2016, campeonato em que foi capitão e levantou a taça após vitória sobre o Corinthians, na final.

No meio, temos muita habilidade, de fato. Por sua grande fase, o camisa 9 raiz que atua de meio campo, Diego Souza (SPFC). Com 6 gols e brigando por artilharia, ele joga contra o Sport, seu antigo clube, portanto, que ele faça valer a lei do ex mais essa vez e saia da Ilha do Retiro com gols, como era acostumado. 

Jogando em casa contra o subestimado time do Vasco, Lucas Lima (PAL) é esperança de gols e assistências, em especial, para dar sequência em sua boa fase. Fechando a linha central, como todo bom cartoleiro, óbvio que não deixaríamos deixaria de escalar Lucas Paquetá (FLA). Escalá-lo, assim como escalar Pedro, é tão corriqueiro e óbvio que dispensa comentários.

Ofensivamente, vamos com força total, a começar pelo artilheiro do campeonato e capitão nessa rodada, Pedro (FLU), que vive momento impecável no tricolor e não possui chance alguma de não ser escalado. Mas bom, dando continuidade à lei do ex, esperamos que ela também aconteça  por meio dos outros dois atacantes que são nossas opções para a rodada: Marinho (GRE), simpaticíssimo, jogando em casa contra seu ex, Vitória, e Ricardo Oliveira (CAM), também em casa, buscando balançar as redes contra seu ex, Santos. 

No meio de tudo isso, a certeza é que, a lei do ex não costuma falhar, e quanto à comemorar, tomara que fique por conta dos atuais, sem clubismo.

No comando, o técnico líder do campeonato, Diego Aguirre (SPFC).


Na Mosca #18: certas leis não costumam falhar Na Mosca #18: certas leis não costumam falhar Reviewed by Gabriel Duarte on 8/09/2018 09:04:00 PM Rating: 5