Na Mosca #22: persistência e esperança

Com seus altos e baixos, a Na Mosca busca começar boa sequência de resultados com aquela mitada histórica!




É, não deu, de novo... 40 pontos. O que está acontecendo com esse Brasileirão? Não consigo responder. Bom para os amantes de futebol, como nós, que nunca sabem o que esperar da rodada que está por vir. O inesperado é a melhor parte do futebol, você tem que concordar. Porém, quando se é cartoleiro ao mesmo tempo, o inesperado, sem dúvidas - e sem pleonasmos - é a última coisa que poderíamos esperar e querer, diga-se de passagem.

O desejo de que tudo ocorra nos conformes é grande. Gigantes ganhando dos pequenos, zagueirões tirando todas, os “santos goleiros” fazendo o impossível, Deyverson fazendo gols e Egídio acertando cruzamentos — a análise da ironia vai de cada um. Apesar da vontade imensa de que os resultados sigam nossas expectativas, nem sempre é assim. Como bem dito pelo mago Valdívia após o falarem que a lógica seria seu atual time (Colo Colo) não passar de fase, “futebol não tem lógica”. Durmam com essa.

Partindo para a escalação - vamos torcer pra ser aquele time dos sonhos - Santos (CAP) é o nosso goleiro. Sem sofrer gols à 7 jogos, com 28 defesas difíceis, vindo de 3 vitórias em casa e jogando um confronto direto contra o Bahia na Arena da Baixada, mais uma vez, dificilmente vai desapontar. O Furacão em seus domínios é quase imbatível- o Flamengo que nos diga.

Nas laterais, a camisa verde impera. Marcos Rocha (PAL) traz renome e 58 roubadas de bola no campeonato. Após Felipão assumir o comando do Palmeiras, a briga pela lateral esquerda ficou acirrada entre o camisa "2" e Mayke. Agora, é aproveitar a chance para retomar a titularidade absoluta. Pelo Coelho, o lateral Carlinhos (AFC). Uma aposta ousada, mas nunca se sabe né? Vamos dar uma chance, sinto que ele vai fazer a diferença. 

Raça, libertadores, e a rixa “Brasil x Argentina” definem nossa zaga. Do lado brasileiro, campeão da Libertadores 2013, zagueiro artilheiro, decisivo em jogo grande e ídolo da torcida atleticana, Leonardo Silva (CAM). Além disso, tá barato, viu? C$10.05 é muito pouco pra tamanho zagueiro. Dele, o Corinthians não passa. Representando nossos hermanos queridos de la Argentina, Kanneman (GRE). Também campeão da Libertadores, em 2017, craque das roubadas de bola e zagueiro que não acredita em bola perdida: não deixem de escalá-lo. A precisão de desarmes, carrinhos e cortes de Kannemann é absoluta. Alguns dizem que tal precisão se dá porque, para ele, do pescoço para baixo é tudo canela. Quem sou eu pra julgar.

Andrey (VAS), em boa fase e baratinho - C$9.47 -, é a primeira opção para o meio campo. Rei da extinta dança “créu”, o maestro Thiago Neves (CRU) é o desejo por um golaço de falta e assistência nas bolas paradas. Fechando o nosso meio, um jogador que começou bem o campeonato, caiu de rendimento, perdeu espaço, recebeu sondagens e por pouco não saiu. Agora, busca retomar a boa fase e fazer mais de seus golaços de bem, bem, bem longe. Trata-se de Cazares (CAM), detentor do gol que Pelé não fez.

Persistência é o ato de manter-se de certo modo específico, insistir, continuar, prosseguir. Em certas ocasiões, pode ser chamada também de teimosia. Essa última, é responsável por apostarmos mais uma vez em Henrique Dourado (FLA). Contestações vão ter, mas, só resta respeitar. Se você tiver paciência e confiança o suficiente, escale, pois vai ter pênalti pro Flamengo. Continuando, com 7 gols, carinho da torcida e um bigode único no melhor estilo MC Livinho, Willian (PAL). Fechando o elenco da rodada, provavelmente o atacante mais lindo do brasileirão, Éverton (GRE). Demasiada beleza à parte, o garoto vem jogando muito, só faz golaço e ainda teve convocação do professor Tite. Merece a vaga e ainda carrega a faixa de capitão do time..

No comando desse timaço, um treinador da linhagem dos novos nomes do futebol brasileiro, Thiago Larghi (CAM).


Na Mosca #22: persistência e esperança Na Mosca #22: persistência e esperança Reviewed by Gabriel Duarte on 8/31/2018 08:08:00 PM Rating: 5