Na Mosca #27: mais futebol, mais amor

O campeonato fica acirrado, a tabela difícil e nós só queremos que a boa sequência continue... Ela precisa continuar!


77.62 pontos. Esse foi o resultado da última rodada. Após uma mitada pra mais de 120 pontos e uma rodada na média, é consideravelmente bom. Esperamos, procuramos e até então estamos acalçando uma boa sequência de resultados. Tão deixando a gente sonhar. Afinal, que deixem também; nessa reta final de campeonato completamente indefinido, nossa sorte e malemolência futebolística singular trarão boas pontuações, tem que acreditar né?

Cansados te tanta tempestade, estamos na bonança. Que assim seja, esperamos que dure. Agora, com os outros campeonatos chegando ao fim e a maioria dos times apenas disputando o brasileirão, a reta final vai ser louca. Se prepare. Desviando um pouco o foco, nesses tempos conturbados de eleições, apenas um único comentário: política é o caral&$@. Queremos saber do nosso futebol. Ps: ao contrário do que você pode pensar, me importo com o futuro do Brasil sim, no entanto, a gente já sofre demais, brigamos por política e alguns perdem amiguinhos no facebook por conta das mesmas; esqueçamos um pouco isso. Que o futebol nos alivie a cabeça e traga amor.

Sem mais me prorrogar, bora pra escalação. 4-3-3 do Real de Zidane como o habitual. Nosso guarda redes desta vez será ninguém mais ninguém menos do que o Rogério Ceni da terra dos cordéis, Éverson (CEA). Joga em casa no Castelão, confronto diretíssimo com a Chape, vem em busca de uma arrancada histórica para se livrar do rebaixamento, está a 8 jogos sem levar gols, tem 49 defesas difíceis e ainda o Lisca doido como técnico. Escalar o goleiro artilheiro é obrigação.

Na correria, os laterais. Com muito carisma, habilidade e 38 roubadas de bola, o rei do Morumbi, “the king” Reinaldo (SPFC). Pro São Paulo, a liderança é questão de ganhar ou ganhar. Pra quem já marcou o “Nederland, holandês, bravo guerreiro”, cuidar do ataque do Botafogo vai ser tarefa relativamente simples. De cabelo colorido e aproveitando as oportunidades que Felipão dá, Victor Luis (PAL), barato - C$8.67 - e craque de bola. O jogo contra o Cruzeiro promete depois daquele final complicado e a eliminação do time alviverde. Que as emoções fiquem em campo e que os chutes e pontapés fiquem apenas na bola.

Na zaga, xerifões, não poderia ser diferente. Víctor Cuesta (INT) é a segurança para não sofrer gols, afinal, joga em casa e contra o Vitória, duelo aparentemente tranquilo para o zagueiro. Ainda, o argentino de jogo pegado possui outros inúmeros motivos para ser escalado: 67 roubadas de bola, 13 jogos sem sofrer gols, média de uma única falta cometida por jogo, 83% de precisão nos passes e por aí vai. Escolha seu motivo e seja feliz. Fechando a  defesa, o zagueiro com mais gols na história do brasileirão: Leonardo Silva (CAM). Seu time tem a sexta melhor campanha dentro de casa, onde joga no domingo, contra o Sport, o sétimo pior visitante da competição.

O mago equatoriano do tricolor das laranjeiras abre o meio: Sornoza (FLU). “Papá”, como é apelidado carinhosamente pela torcida tem feito bons jogos no ano e sido importante para a campanha do Fluminense. Seu confronto é duríssimo, joga em casa - ao menos isso - contra os famosos reservas do Grêmio; sim, os mesmos que fizeram aquele 5 a 1 no pobre Vitória. Sornoza, de fato, terá que fazer magia, o que não é difícil para o craque que tem 85% de aproveitamento em seus passes. Ainda vale ressaltar que a fase do meio campista é boa e seu valor bem acessível, C$8.50.

Com ele, forte, explosivo e sem medo de se arriscar, Diego Souza (SPFC), o jogador que você sempre sabe o que esperar, mas nunca exatamente o quê. Apenas tem a certeza de que vai ser bom pra você que o escalou. O meia que praticamente é um centroavante faz um campeonato brasileiro invejável. 9 gols, 3 assistências, atual líder do campeonato, parça do nenê, alguns quase gols de bicicleta fora os apavoro. Pra ele, nada é problema na hora de marcar gol. Não é baratinho, C$12.77, mas vale muito a pena.

Fechando nosso meio de campo, Éverton Ribeiro (FLA). Todos sabem que é craque, porém, é instável. Ninguém sabe quando ele vai mitar e, geralmente, quando isso acontece, você não o escalou. A fase do Flamengo é conturbada e nomes de peso e referência no time como o de Éverton são fundamentais para equilibrar o grupo e voltar à boa fase. Ele vai decidir o jogo. Menos que um “hat-trick” nem comemoro.

No ataque, um trio oriundo do sul do Brasil. Começamos por Pablo (CAP), que vive grande fase. O furacão não tem bom retrospecto como visitante, mas as coisas sempre podem mudar. Seus 9 gols e a busca pela artilharia justificam sua escolha. Agora, é a vez da estrela da companhia dessa rodada, o capitão, que será um uruguaio rápido e habilidoso no controle de bola. “El diente”, mais conhecido como Nico López (INT). O ataque se encerra com um verdadeiro craque pouca mídia. Um jogador decisivo, rápido e inalcançável na ponta esquerda: o Cebolinha, Éverton (GRE).

Quem comanda esse timaço é o interino mais resistente do Brasil, Thiago Larghi (CAM).


Na Mosca #27: mais futebol, mais amor Na Mosca #27: mais futebol, mais amor Reviewed by Gabriel Duarte on 9/29/2018 10:18:00 AM Rating: 5