Na mosca #30: O futebol é um romance

Após uma sequência de bons resultados, seguimos confiantes para manter a boa fase e mitar mais uma vez


Mitamos. 100.58 pontos e uma considerável sequência de boas pontuações, realmente estamos no auge da “cartoleirisse”. Seja com pesquisa, habilidade, dom ou sorte, fica a dica: se você mitou como nós, se valorize e aproveite o momento. O Cartola é uma incógnita na vida de todos os cartoleiros e há de nascer alguém que o decifre. Ele faz você passar raiva - uma raiva gostosa, vale dizer. Essa raiva alimenta paixão, vontade e ego, claro. Por vezes é difícil de lidar, mas ela também serve pra melhorar o gostinho dos bons resultados. A raiva do fracasso é linda. O que seriam nossas vitórias sem ela?

Para que possa se aliviar em alma, corpo e consciência e saber que se você não foi bem na rodada, não é totalmente culpa sua, aqui deixo uma citação de Paulo Coelho: “o futebol é um romance. Assim como nos bons livros, o final é sempre inesperado”. Boa sorte para todos nós na próxima rodada, vamo que vamo.

Depois de tanto pensar, vamos aliviar a barra e partir para a escalação. Ao gol, um goleiro que vive grande fase há um bom tempo. No auge de sua carreira, não tem que provar nada para mais ninguém, talvez apenas para o Tite. Possui 29 defesas difíceis, não sofre gols há 7 jogos, enfrenta dentro de casa o segundo pior visitante do campeonato, Chapecoense, e uns dias atrás ganhou a Copa do Brasil.Trata-se de Fábio (CRU).

Uma dupla rubro negra e experiente encara as laterais. Sander (SPO), com sua forte marcação e tempo de recuperação impressionante, além claro, das 91 roubadas de bola e Renê (FLA), um lateral que sabe defender e tem o passe como sua principal característica, sendo fundamental no ataque do time da Gávea e o jogador com mais passes certos da equipe. Boa opção ainda caso você acredite em uma vitória relativamente fácil do Flamengo, dentro de casa, em cima do Paraná, o lanterna.

A zaga é vem do Rio de Janeiro, especificamente da dupla Fla-Flu. Contestados, porém, ídolos de suas respectivas torcidas, são dois zagueiros que se entregam até o fim e merecem o reconhecimento. Também são conhecidos por suas idas ao ataque que surtem muito efeito, principalmente no jogo aéreo. São eles Réver (FLA), e Gum (FLU).

Iniciando o meio campo, Patrick (INT). Jogador forte e decisivo, vem fazendo um bom ano no colorado apesar das últimas atuações abaixo do esperado. O fator principal para sua escalação é seu poder de decisão. Ele não cosuma falhar quando é requisitado, e este é o momento. O Inter precisa de uma difícil vitória contra o embalado Santos para continuar a sonhar com o título e Patrick será fundamental nesse jogo, acredite.

Dando continuidade ao meio, uma escolha arriscada mas que pode dar certo. A experiência do “pitbull” Felipe Melo (PAL) fala mais alto nessa rodada. Um pouco mais calmo nas últimas partidas, o jogador palmeirense tem tido boas atuações. Nitidamente está focado no título e como bem mostra sua pernsonalidade, não vai deixar escapar fácil. Além de tudo, a fase do verdão é extraordinária - 4 vitórias seguidas no brasileiro - e seu preço se encontra bem baixo - C$3.17 -, o que é bom para economizar e poder gastar em outros jogadores mais caros.

Fechando o meio de campo, um jogador de campanha irregular, muita qualidade, pouca altura e motivos de sobra pra jogar tudo o que pode, Éverton Ribeiro (FLA). Que ele esteja inspirado contra o Paraná, amém.

Rei da América, protagonista, tatuado e fraco de feição. Joga no Rio Grande do Sul e é amado e odiado pela sua torcida. Possui qualidade inegável, pé calibrado para domínios e dribles e uma habilidade imensa em jogar o fino quando ninguém espera. Assim já é fácil saber quem é, não? Então vai uma última dica: ele não veste azul, branco e preto. Quem começa o nosso ataque é “El Diente” Nico López (INT).

Seguindo no ataque, um craque vindo diretamente das terras do acarajé. Um dos artilheiros do campeonato, ele vai fazer mais contra o alvinegro carioca, não tenha dúvidas. Gilberto (BAH) vai botar fogo no jogo. Perdoem o trocadilho infame.

Finalizando o elenco, Pablo (CAP), com 9 gols, 31 roubadas de bola, categoria pura e a nossa faixa de capitão.

À frente dessa seleção quase inteira rubro negra, o professor do penta e do 7 a 1. O inquestionável e milagroso Luiz Felipe Scolari, Felipão (PAL).


Na mosca #30: O futebol é um romance Na mosca #30: O futebol é um romance Reviewed by Gabriel Duarte on 10/20/2018 10:56:00 AM Rating: 5